Sexta, 11 Fevereiro 2022 17:02

PECUÁRIA | Aderr e Mapa reforçarão vigilância fitossanitária Destaque

Escrito por Ayan Ariel
PECUÁRIA | Aderr e Mapa reforçarão vigilância fitossanitária Arquivo/Secom RR

Com o objetivo de reforçar as estratégias e políticas de promoção de sanidade e vigilância fitossanitária em Roraima, o convênio entre a Aderr (Agência de Defesa Agropecuária do Estado de Roraima) e o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) recebeu um aditivo de R$ 1 milhão, oriundo de emenda parlamentar do senador Telmário Mota.

Ressaltando o compromisso e a confiança entre os parlamentares roraimenses com as ações da atual gestão, o diretor-presidente da Aderr, Kelton Lopes, pontuou que aditivo irá reforçar os trabalhos já feitos na agulha oficial e na zona de proteção.

“Essa ação é importante para a agulha oficial já feita há vários anos pela Aderr, junto com o Ministério da Agricultura, onde todas as cabeças de bovino da região da Raposa/Serra do Sol são vacinadas pelos nossos agentes”, frisou.

O governador Antonio Denarium disse que essa é mais uma vitória para a agricultura roraimense, uma vez que haverá reforço nas políticas de promoção da sanidade e da vigilância fitossanitária.

“É aprimorando as ações de controle, como a agulha oficial e a zona de proteção, que poderemos conquistar novos mercados. Isso beneficia os nossos criadores e faz com que o Estado avance”, complementou.

Com o aditivo, haverá um aperfeiçoamento do trabalho realizado pelo convênio com a agulha oficial, beneficiando diretamente o rebanho indígena das Terras Indígenas Raposa/Serra do Sol e São Marcos, nos municípios de Uiramutã, Pacaraima e Normandia.

A zona de proteção, barreira nacional criada em 2018, que contempla 11 rebanhos bovinos na faixa de fronteira com a Venezuela, também receberá reforço de custeio.

“O convênio impacta na continuidade da vigilância do rebanho de todo o Estado, na sanitização do rebanho. Nós damos a certeza da sanitização do rebanho que está mais próximo da área da Venezuela, que é um local de risco desconhecido para várias doenças que o Brasil hoje controla com maestria”, reiterou Érika Paracat Santiago, diretora de Inspeção e Defesa Animal da Aderr.